Cólica

Cólica

Cólica

Seu bebê começou a ter crises de choro que duram horas e horas?


Ele já foi amamentado, já checou a fralda, não está com frio e não tem mais nada incomodando?


O choro pode estar relacionado à presença de gases na barriga, a famosa cólica do lactente. A cólica se caracteriza por um choro inconsolável e estridente, sem motivo aparente, que inicia por volta da segunda semana de vida e persiste, em média, até o terceiro mês. Em geral, utilizamos para o diagnóstico a “regra dos três”: duração de três horas diárias, geralmente no fim da tarde ou início da noite por, pelo menos, três dias na semana e que costuma aparecer nos primeiros três meses de vida do bebê em crianças adequadamente alimentadas e saudáveis. Em casos mais intensos, o choro pode durar mais do que 3 horas e é difícil acalmá-lo. E como identificar se realmente é cólica? Em geral os bebês encolhem as perninhas e arqueiam as costas para trás, esticam-se e se espremem enquanto choram, alguns conseguem soltar puns e a barriguinha fica estufada como se fosse um balão de ar.

As causas ainda não estão bem estabelecidas, mas há alguns fatores que contribuem para o seu surgimento como deglutição de ar nas mamadas, imaturidade do intestino do bebê associada a microbiota intestinal em formação, o bebê ainda não consegue eliminar os gases, existe a imaturidade do sistema nervoso central aliado ao estresse decorrente da necessidade de adaptação do recém-nascido a uma nova rotina de vida extra-uterina e principalmente para os pais que também estão em adaptação com a nova vida com o bebê. Por isso,segundo a sabedoria popular: Quanto mais tenso ficar quem está cuidando do bebê, mais difícil será acalmá-lo. Por isso algumas dicas valiosas:

 Os pais devem procurar manter a tranquilidade durante as crises de cólica, já que a criança sente a ansiedade e a insegurança dos adultos, podendo reagir com mais choro. Se você puder dividir com alguém, estabeleça um rodízio de 30 minutos para cada pessoa tentar acalmá-lo. Saia do mesmo ambiente, tome uma agua, faça uma caminhada e volte mais relaxada para o “rodízio de cuidados com o bebê”

 Tente simular o ambiente intra-uterino: segure o bebê no colo bem apertadinho, use um sling ou experimente enrolá-lo numa manta (famoso “charutinho”), num ambiente com pouca luz e pouco barulho. Se possível faça o barulho “shhhiiiiiii” ou ligue o secador de cabelo, esses sons o fazem relembrar do barulho intra-uterino dos vasos sanguíneos da mãe próximo ao útero. Lembre-se: o bebê se sente seguro quando passam segurança para ele.

 Muitas vezes, sair de casa e dar um passeio com o bebê pelo jardim ou na quadra de casa, o acalma. Os bebês choram menos em movimento, pois ficaram 9 meses acompanhando a mamãe por onde ela andava.

 Durante a amamentação, observar se a pega do bebê está adequada ao seio, evitando a deglutição de ar desnecessária. Em casos de aleitamento artificial, é necessário inclinar a mamadeira, de forma a preencher todo o bico com o leite, para impedir a entrada de ar durante a sucção. Procure os bicos anatômicos e elaborados exatamente para diminuir a entrada de ar enquanto a criança mama. Nas duas situações, a criança deve ficar inclinada, com a cabeça mais alta do que o tronco. Procure sempre estimular o bebê para arrotar depois de cada mamada.

 Medidas como massagens no abdome, movimentos de flexão das pernas como movimentos de bicicleta ou massagear a barriga em sentido horário com óleo de amêndoa para estimular a evacuação também ajudam muito. Mas lembre-se de fazer longe das mamadas para evitar o risco de vômitos.

 Aquecimento da barriguinha com bolsas de água morna ou fralda aquecida com ferro de passar roupa também costumam servir para atenuar as cólicas.

 Procure observar a alimentação materna até 24h que antecederam as crises de cólica. Alguns alimentos como chocolate, queijos, condimentos alimentares e café podem precipitar crises de cólicas em alguns bebês em aleitamento materno exclusivo.

 Se apesar de tudo isso, o bebê continuar chorando, mantenha a calma. Talvez um banho morno o faça relaxar depois de tantas horas de choro.

 Além disso, sempre converse com o seu pediatra. Ele pode recomentar medicações para auxiliar o bebê a eliminar os gases da barriguinha e o acalmá-lo nas crises de choro.

 Lembre-se: o choro do bebê não é culpa sua; esse tipo de cólica não é grave e costuma ir embora quando o bebê tem 3 ou 4 meses. Entretanto sempre comunique ao pediatra nas consultas de rotina. Ele saberá interpretar se devem ser investigadas e afastadas algumas patologias.

Comentários

comentários

Deixe uma resposta